Ir para o conteúdo principal

A ITF saúda a justiça para as vítimas palestinas de “crime de ódio”

21 Sep 2020

Um tribunal israelense condenou o assassino de uma criança e seus pais a três prisões perpétuas. O tribunal classificou os homicídios como “cuidadosamente planejados e motivados por uma ideologia extremista e racismo”.

Em julho de 2015, a casa da família Dawabsheh, na Margem Ocidental, foi alvo de um incêndio provocado por um extremista israelense. Amiram Ben-Uliel jogou uma bomba incendiária pela janela enquanto a família dormia, matando três dos Dawabshehs e deixando o quarto com queimaduras graves.

Mais tarde naquele ano, durante uma missão sindical a Israel e Palestina, o presidente da ITF, Paddy Crumlin e o secretário-geral, Stephen Cotton, visitaram parentes da família e juntaram-se às chamadas internacionais por justiça. Ben-Uliel foi acusado de assassinato em janeiro de 2016.

Shaher Saad, secretário-geral da Federação Geral dos Sindicatos de Transportes da Palestina (PGFTU) acolheu o veredito e o apoio da ITF ao longo dos últimos cinco anos. “Esta sentença é resultado da condenação do crime por parte da comunidade internacional, incluindo a ITF. A sentença do tribunal é satisfatória e espero que os autores não sejam libertados em algum momento no futuro, como aconteceu em casos semelhantes.”

Paddy Crumlin disse: “Esta é uma pequena justiça em uma terra de grandes injustiças. Como aprendemos durante nossa missão de 2015 em Israel e na Palestina, pessoas comuns na Margem Ocidental estão sujeitas a assédio e violência contínuos por parte dos colonos israelenses e, em casos mais extremos, enfrentam violência e morte. Esta sentença não trará a família Dawabsheh de volta, mas é um sinal de que esses crimes não ficarão impunes.”

Stephen Cotton disse: “Cinco anos atrás, a ITF pediu que fosse feita justiça no caso da família Dawabsheh. Estamos orgulhosos de termos apoiado a PGFTU e todos os nossos amigos e colegas palestinos durante esta longa luta. E não vamos parar até que os palestinos e israelenses tenham justiça em suas vidas diárias.”