Ir para o conteúdo principal

ITF, IndustriALL e TUAC clamam por ação sobre créditos à exportação para recuperar a economia global

05 Mar 2021

A demanda de passageiros aéreos caiu 65% em 2020 em comparação ao ano anterior e a demanda de produtos aeroespaciais comerciais também despencou. Com isso, foram demitidos centenas de milhares de trabalhadores desses setores. O apoio das agências de crédito à exportação é fundamental para restaurar os níveis de emprego.

A Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF), o Sindicato Global IndustriALL e o Comitê Consultivo Sindical (TUAC) pedem aos países da OCDE que protejam empregos e revigorem a economia global através do fortalecimento e coordenação:

  • Apoio das agências de crédito à exportação nas questões financeiras relacionadas aos setores aeroespacial e aviação comercial
  • Fortalecimento das “abordagens comuns” relacionadas a direitos humanos das agências, incluindo normas trabalhistas e iniciativas de devida diligência
  • Inclusão de sindicatos e de outras ONGs, e transparência na tomada de decisões básicas

“Em teoria, espera-se que a aviação volte aos níveis anteriores em 2025. Mas, para sobreviver, precisamos manter a indústria em movimento agora. Créditos à exportação são uma forma de estimular a indústria aeroespacial, já que isso facilitaria os pedidos e, então, as entregas”, disse o secretário-geral adjunto do IndustriALL, Atle Høie. “Além disso, as políticas da OCDE de créditos à exportação garantiriam a promoção de empregos e condições de trabalho decentes.”

Rob Johnston, secretário-geral adjunto da ITF, disse que é fundamental que as agências considerem as normas trabalhistas e questões de sustentabilidade antes de conceder acesso a financiamento, pois esta é a única forma de garantir que todos estejam em pé de igualdade.

“A ITF e o IndustriALL entendem a importância das agências de crédito à exportação, já que milhões de empregos dependem delas. Mas também é extremamente importante relacionar comportamentos empresariais à melhoria das práticas trabalhistas em todo o mundo”, disse Johnston.

As agências poderiam também promover a renovação das frotas das empresas aéreas, o que seria necessário para a indústria, inclusive do ponto de vista do clima para reduzir emissões de CO2 na aviação do futuro.

A chamada à ação se dá após meses de cooperação entre os sindicatos globais sobre créditos à exportação, culminando no envio formal à agência de crédito à exportação da OCDE em outubro de 2020.

O aumento da concorrência entre os países fez com que as agências, individualmente, reduzissem suas políticas de apoio a empregos. Os sindicatos estão particularmente alarmados com a concorrência daqueles que não são membros da OCDE e não fazem parte da estrutura de Abordagem Comum. Isso destaca a necessidade de trabalho mais árduo por parte dos estados-membros da OCDE para coordenar políticas que restaurem a economia global.

A devida diligência de direitos humanos também deve ser fortalecida e envolver sindicatos e outras ONGs, principalmente durante a atual pandemia. Os trabalhadores podem ser o meio mais eficaz de identificar, monitorar, relatar e remediar violações negativas ambientais e de direitos humanos nas empresas, indústrias e cadeias de suprimentos.

Crédito da imagem: Lukas Wunderlich