Ir para o conteúdo principal

Trabalhadores em transportes reivindicam que governos retomem a ação climática após a COP26

22 Nov 2021

A COP26 deixou claro uma coisa: a luta dos sindicatos em todo o mundo por justiça climática é mais importante do que nunca após a decepção da conferência do clima em Glasgow.

A principal tarefa da COP26 era entregar um plano digno de confiança para limitar o aumento da temperatura do planeta a 1,5°C. O Pacto Climático de Glasgow, que foi acordado por todas as partes, reconhece a escala da crise, mas carece de medidas concretas para enfrentá-la. O resultado é que estamos em rota para aumentos de temperatura de 2,4°C até 2050, o que trará consequências devastadoras para a humanidade e o planeta.

Fracasso no financiamento

Um dos fracassos mais sérios em Glasgow foi apoio financeiro para o Sul Global, principalmente com relação à adaptação, mitigação e perdas e danos. Em 2009, países do Norte Global comprometeram-se a mobilizar US$100 bilhões para adaptação (como a construção de infraestrutura, tais como muros de contenção para proteger contra os efeitos negativos das mudanças climáticas) e mitigação (tal como como infraestrutura de energia renovável). Porém, esta meta de financiamento não foi atingida em nenhum ano.

Na COP26, os países do Sul Global trouxeram uma nova reivindicação, financiamento para perdas e danos em países que já estão sofrendo os efeitos desastrosos das mudanças climáticas. Ainda assim, o Pacto Climático de Glasgow fracassou na entrega de compromissos concretos.

Em seu retorno da COP26 em Glasgow, o secretário geral da ITF, Stephen Cotton, disse: “A lacuna de financiamento é um dos fracassos mais sérios da COP26. Estão sendo negados aos países do Sul Global os fundos necessários para proteger urgentemente seus cidadãos agora, assim como as gerações futuras.”

Investimento em infraestrutura de transporte é uma das áreas mais importantes, tanto em termos de construção da infraestrutura de transporte público necessária para reduzir as emissões em longo prazo, como de reparação de portos e ferrovias que estão agora sendo devastados pelo clima extremo.

“Os governos precisam transformar as vagas promessas do Pacto Climático de Glasgow em ação concreta. Se os governos fracassarem, arriscaremos a vida e causaremos a morte de milhões e não podemos permitir que o fardo das mudanças climáticas recaia sobre aqueles nos países pobres”, disse Cotton.

Transporte no foco

O transporte é responsável por 25% de todas as emissões de gases do efeito estufa. As indústrias de transporte dependentes de combustível fóssil são o principal desafio de hoje, mas as indústrias de transporte com carbono zero do futuro podem ser parte da solução.

“Em Glasgow vimos um maior senso de urgência por parte de alguns governos e empregadores do setor de transporte, e precisamos aproveitar este momento para lutar seriamente pela descarbonização do transporte”, disse Cotton.

Em Glasgow, a ITF anunciou a fundação da Força Tarefa Marítima para Transição Justa em parceria com a Câmara Internacional de Navegação (ICS), o Pacto Global da ONU, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organização Marítima Internacional (IMO).

“Este é um exemplo de como todas as indústrias de transporte deveriam abordar a transição justa”, disse Cotton. “A força tarefa garantirá que os marítimos tenham voz nas principais questões relacionadas a empregos e aptidões enquanto a indústria embarca na sua maior transformação já vista. É fundamental que a voz dos trabalhadores esteja presente nas negociações.”

A ITF, junto com o parceiro de campanha C40 Cities, clamou aos governos de todo o mundo que dobrem as jornadas em transporte público até 2030 e avancem com a transição justa para emissão zero no transporte público.

Na campanha conjunta O futuro é o transporte público prefeitos, trabalhadores, sindicatos, autoridades de transporte, reguladores e parceiros da sociedade civil alertaram os líderes globais que o “tempo está se esgotando” para que sejam feitos os investimentos críticos necessários em transporte público para que as nações e o mundo atinjam as metas de emissões de 1,5°C. 

John Mark Mwanika, presidente do Comitê de Transportes Urbanos da ITF, disse: “Não podemos nos dar ao luxo de esquecer o papel essencial que o transporte público deve e pode desempenhar para atingirmos as metas climáticas. Aumentar o acesso e a disponibilidade de transporte público de boa qualidade exige uma transição justa. Todos os escalões do governo devem trabalhar juntos para liberar financiamento estatal ao longo da próxima década para conseguirmos isso, e para criar dezenas de milhões de empregos decentes no mundo inteiro.”

Mas, a COP26 mostrou que a abordagem geral ao transporte é desigual. A presidência do Reino Unido na COP focou em carros elétricos, mas não priorizou a mudança modal para transporte público rodoviário e ferroviário que é necessária. A declaração da aviação deu um importante passo à frente ao reconhecer que a aviação deve estar alinhada com a meta de 1,5°C do Acordo de Paris, porém esta indústria precisa urgentemente trazer os trabalhadores para a conversa.

“Os trabalhadores em transportes devem estar na frente e no centro da luta pela justiça climática e por uma transição justa de nossas indústrias. Agora é a hora da mobilização por um horizonte verde na navegação, por ferrovias seguras e sustentáveis, por um futuro que seja do transporte público, e para que o transporte carbono zero seja uma oportunidade para os trabalhadores em transportes”, disse Cotton.

Devemos focar em transição justa nos planos climáticos revisados

Um dos resultados mais importantes da COP26 é que agora todos os países são obrigados a enviar planos climáticos nacionais revisados, conhecidos como Contribuições Nacionalmente Determinadas ou NDCs, até 2022. Os planos revisados devem incluir metas específicas para redução de emissões de até 45% até 2030.

O Pacto Climático de Glasgow também afirmou que todos os países devem fazer compromissos explícitos sobre transição justa em seus planos de longo prazo. Ainda assim, é necessário mais progresso no sentido de garantir que a ação climática envolva uma transição justa para todos os trabalhadores.

Ao longo da conferência, mais de 147 sindicatos da ITF em 36 países apoiaram esta chamada e pediram a seus governos que implementem medidas sólidas de transição justa para o transporte em suas NDCs.

“Os sindicatos de transporte deram o aviso a seus governos. A transição não pode acontecer sem um papel ativo dos trabalhadores. Os trabalhadores devem estar na mesa de negociação. Nós esperamos compromissos concretos sobre transição justa e planos credíveis de descarbonização para cada setor de transporte, que devem incluir compromissos específicos para mulheres e jovens trabalhadores”, disse Cotton.