Ir para o conteúdo principal

Marítimos usados como bodes expiatórios por governos

03 Sep 2019
Comunicado à imprensa
A Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF) está seriamente preocupada com relação à falta de compreensão mostrada por diversos governos em relação à navegação internacional e o papel desempenhado pelos marítimos.

Recente mensagem do Departamento de Estado dos EUA para a indústria da navegação, declarando que fará uso da legislação antiterrorismo para negar a marítimos um visto de entrada para os EUA se trabalharem a bordo de uma embarcação carregando petróleo iraniano, é um exemplo de quão pouco os governos entendem a realidade dos marítimos. A declaração dos EUA vem depois do petroleiro de nome Grace 1, agora chamado de Adrian Darya, ter sido liberado por autoridades de Gibraltar após o país ter recebido garantias de que a embarcação não violaria as sanções da UE.

Dave Heindel, presidente da seção de marítimos da ITF, expressou sua frustração frente a essa declaração, dizendo: “Como uma federação sindical de âmbito global, reconhecemos que questões geopolíticas e sanções oficiais estão além de nosso alcance. Todavia, também está além do alcance de um marítimo que ele ou ela tenham qualquer influência sobre o destino ou a carga de sua embarcação.”

“Os marítimos, quer sejam de baixa hierarquia ou oficiais, raramente sabem para onde se destina a embarcação. Isso fica por conta da companhia que administra a embarcação, que faz a embarcação seguir um determinado rumo com mais instruções a serem dadas mais adiante. Se uma embarcação é direcionada a um porto iraniano, é normal que o capitão seja o único a conhecer o destino com um ou dois dias de antecedência. A tripulação, especialmente os subordinados e oficiais de baixa patente, não terá conhecimento e nem possibilidade de se recusar a fazer o trabalho ou de desembarcar durante a viagem.”

“Além disso, os marítimos geralmente não fazem idéia de quem é de fato o proprietário da embarcação em que trabalham, e muito menos da carga levada. É por isso que a ITF tem feito campanhas desde 1948 contra o sistema de bandeiras de conveniência (FoC) que domina a indústria da navegação e permite que os proprietários das embarcações, que deveriam ser responsabilizados, se escondam por trás de um véu que os mantém ocultos.”

“É injusto recusar categoricamente a concessão de vistos a marítimos empregados em embarcações consideradas violadoras de sanções, e nem é algo que responsabilize as pessoas certas. Governos, incluindo o dos EUA, deveriam direcionar seu foco ao sistema de bandeiras de conveniência e mudar as regras que permitem que esse sistema e sua ocultação de proprietários vicejem.”

Publicar um novo comentário

Restricted HTML

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.