Ir para o conteúdo principal

ITF e ETF manifestam solidariedade aos sindicatos da Aéroports de Paris que se preparam para protesto trabalhista

14 Jun 2021

A Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF) e sua divisão europeia, a Federação Europeia dos Trabalhadores em Transportes (ETF), manifestam sua forte solidariedade aos sindicatos franceses enquanto se preparam para um protesto trabalhista na Aéroports de Paris (aeroportos de Orly e Charles de Gaulle/Roissy) entre 1º de julho e 5 de julho.

A ITF e a ETF também declaram total apoio às manifestações planejadas pelos sindicatos franceses nos aeroportos de Orly e Charles de Gaulle antes da greve de 5 dias.

O desentendimento é sobre demissões em massa e um plano unilateral de longo prazo da Aéroports de Paris para firmar novos contratos de trabalho com os funcionários nos aeroportos, que os sindicatos afirmam que resultarão em menor remuneração, perda de empregos e redução dos direitos e gratificações para os funcionários.

A greve está sendo convocada em conjunto pelos sindicatos CGT, CFE-CGE, Unsa, CFDT e FO, que afirmaram em um comunicado conjunto à imprensa que as propostas vão “cortar em definitivo mais de um mês de salário de todos os funcionários e obrigá-los a aceitar a mobilidade geográfica, aumentando o tempo de deslocamento casa-trabalho”.

Atualmente, os líderes da indústria de aviação da França estão fazendo declarações destacando que o desejo de viajar continua forte e, com o apoio da campanha de vacinação e da testagem em massa, logo haverá um aumento considerável do número de passageiros no verão novamente. Além do mais, houve um aumento acentuado dos volumes de carga aérea, ultrapassando até mesmo os períodos pré-pandemia.

No entanto, a Aéroports de Paris está acabando com empregos permanentes com remuneração razoável. O objetivo puramente oportunista da empresa é substituir os trabalhadores de longa data por trabalhadores jovens, temporários e mais baratos, que ficarão sujeitos a cargas de trabalho cada vez mais árduas. Enquanto isso, para os demitidos, tanto a indenização trabalhista quanto as perspectivas de encontrar novos empregos comparáveis no mercado de trabalho ficam cada vez piores. Isso é inaceitável.

A pandemia de covid-19 deixou clara a importância da indústria de aviação civil para salvar a vida das pessoas, garantir sua segurança e a de nossas comunidades e trazer alívio à economia estagnada.

Reivindicamos que a Aéroports de Paris deixe de lado seu plano terrível e unilateral imediatamente e se comprometa a iniciar negociações com todos os sindicatos que representam sua mão de obra para chegar a um acordo justo de boa-fé.

Vamos monitorar a situação de perto e mobilizar nossos afiliados da aviação para que se solidarizarem com seus colegas da França.