Ir para o conteúdo principal

Grupo global dos proprietários de navios e sindicatos de marítimos fecham novo acordo global de três anos de “rede de segurança” de salário mínimo

23 May 2022
Comunicado à imprensa
Crédito: Christian Gilbert Sonico Esteban, Fundo dos Marítimos da ITF

ICS e ITF – Comunicado conjunto à imprensa 

O transporte marítimo é o único setor com um salário mínimo global formalmente reconhecido, que já existe para os marítimos desde 1958. A seguir está o resultado das negociações do salário mínimo global. Todos os valores estão em dólares dos Estados Unidos.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) da ONU, mais uma vez, reuniu a última rodada de negociações bipartite entre os donos de navios e os sindicatos marítimos de todo o mundo, coordenados pela Câmara Internacional de Navegação (ICS) e a Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF), respectivamente.

O acordo se aplica de forma universal à qualificação de Able Seafarer (Marítimo Habilitado) e é amplamente reconhecido pela comunidade mundial de navegação como contribuição ao trabalho e emprego decentes para a genet de mar, para se sustentarem e às suas famílias, reconhecendo que o bem-estar geral dos marítimos está indissociavelmente vinculado ao seu bem-estar econômico. Durante as rodadas anteriores, concluídas na OIT da ONU em setembro do ano passado, os donos de navios e os marítimos estabeleceram o salário mínimo em US$648 a partir de 1º de julho de 2022.

Na última rodada de negociações, os parceiros sociais concordaram em estruturar o novo acordo de 3 anos com aumentos anuais até US$673, de 1º de janeiro de 2023 a 1º de janeiro de 2025, conforme a seguir:

  • US$658 em 1º de janeiro de 2023
  • US$666 em 1º de janeiro de 2024
  • US$673 em 1º de janeiro de 2025

Comentando sobre o resultado das negociações, Charles Darr (da associação suíça dos donos de navios), porta-voz do grupo dos donos de navios, disse:

“A força de trabalho global da gente de mar é essencial para o fluxo do comércio mundial seguro e eficiente, e eles estão entre os heróis esquecidos da pandemia. Tanto os donos de navios como a gente de mar ganham com este novo acordo.

Ele estabelece um equilíbrio entre recompensar a gente de mar por suas incríveis contribuições para a economia global e garante, ao mesmo tempo, que as empresas de navegação possam permanecer sustentáveis e comercialmente viáveis, diante dos muitos desafios que enfrentamos atualmente e aqueles que estão à frente.”

Mark Dickinson (Nautilus International), porta-voz do grupo dos marítimos, acrescentou:

“O acordo de hoje reconhece os enormes sacrifícios e o profissionalismo dos homens e mulheres que trabalham no mar e é um testemunho dos marcos coletivos que a parceria social entre os marítimos e os proprietários de navios alcançaram historicamente. Principalmente durante os últimos anos.

Mark Dickinson é o porta-voz do Grupo dos Marítimos e secretário-geral do Nautilus International | (Fonte: Nautilus International)
​​​​

Esperamos continuar a trabalhar juntos, ao lado de nossos parceiros sociais, para salvaguardar a estabilidade financeira dos marítimos do mundo.”

Observação para os editores

  • O salário mínimo global da OIT é revisado periodicamente pela Comissão Marítima Conjunta da OIT (JMC), um órgão bipartite da OIT composto de representantes dos empregadores coordenados pela Câmara Internacional de Navegação (CIN) e representantes de sindicatos marítimos coordenados pela Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF). O salário mínimo global da OIT está programado para ser visto pela JMC em 2025
  • O Nautilus International é um afiliado da ITF. Mark Dickinson é o secretário-geral do sindicato, que tem sucursais no Reino Unido, Países Baixos e Suíça

Contato para mídia (ITF/grupo da gente de mar): media[at]itf.org.uk