Ir para o conteúdo principal

Carreiras mapeadas para mulheres e jovens marítimos

07 Mar 2019
Comunicado à imprensa
A Federação Internacional dos Trabalhadores dos Transportes (ITF) acolheu o plano de implementação acordado na reunião tripartite de Genebra, na semana passada, para abordar a lacuna existente no recrutamento e na retenção dos marítimos e as barreiras para promover as oportunidades de trabalho para os marítimos tanto mulheres quanto jovens.


A reunião realizada em Genebra, na Suíça, teve o comparecimento de mais de 40 países, além dos parceiros sociais, indo de 25 de fevereiro a 1º de março de 2019, na sede da Organização Internacional do Trabalho (OIT). 

Pela primeira vez na história das reuniões da OIT, as três porta-vozes, representando os armadores, os marítimos e os governos, eram todas mulheres: Kathy Metcalf, Presidente & CEO da Câmara de Navegação da América; Lena Dyring, Representante das Mulheres na Seção dos Marítimos da ITF; e Mayte Medina, Chefe, Chefe do Escritório de Credenciamento da Marinha Mercante da Guarda Costeira Americana.

Os três dias de discussão levantaram uma série de problemas, incluindo: os enfrentados pelos cadetes e estagiários para obter acesso à indústria; a prática discriminatória dos testes de gravidez obrigatórios para as mulheres marítimas; as barreiras a que as marítimas tenham acesso à indústria; a automação e a digitalização; o recrutamento e a colocação; o tratamento justo da criminalização dos marítimos; as licenças para desembarcar; o isolamento e a fadiga mental; o assédio e o bullying; a discriminação por idade; a comunicação social; e o abandono. 

Na reunião, concluiu-se que o plano de implementação teria que incluir as partes interessadas assumindo um papel proativo em garantir a facilitação:

  • Licença para desembarcar e o estabelecimento de comitês de bem-estar dos marítimos;
  • Cadetes, estagiários, marítimos jovens e marítimas tendo concedidos o tempo de licença necessário;
  • A repatriação de marítimos abandonados e a dispensa dos marítimos em tempo hábil em casos de criminalização, pirataria e roubo a mão armada; e
  • Políticas de tolerância zero com relação a bullying e assédio.

Além disso, na reunião, recomendou-se que a OIT faça uma reunião tripartite com a Organização Marítima Internacional (OMI) para considerar:

  • Problemas comuns aos marítimos, incluindo treinamento e certificação;
  • Promover a ratificação do MLC 2006 e a efetiva implementação de seus dispositivos;
  • Mapear o número de mulheres e sua distribuição na indústria; 
  • A provisão por parte do dono do navio de acesso à internet para marítimos a custo zero ou razoável; e
  • Os parceiros sociais e outras partes interessadas encontrando maneiras de prover aos marítimos assistência psicológica para lidarem com ansiedade e depressão.

“Viemos aqui com a mente aberta para trabalhar seriamente com OIT, parceiros sociais e governos, de forma a encontrar soluções, e é um prazer saber que as discussões foram maduras, com resultados tangíveis”, disse Lena Dyring, Representante das Mulheres na Seção dos Marítimos da ITF.

Quanto à obrigação do teste de gravidez, um especialista jurídico da OIT a descreveu como uma séria forma de discriminação que afeta somente as mulheres. "As marítimas são plenamente capazes de tomar as decisões que afetem elas mesmas e suas famílias. Tal como as mulheres nas demais indústrias, não sentem falta de que o empregador decida por elas quanto à necessidade de fazer o teste de gravidez”, disse Lena Dyring.

“Muito nos alegra que o teste obrigatório seja considerado agora uma prática discriminatória e que a decisão receba o apoio de diversos governos, havendo, nesse sentido, uma clara mensagem, a ser ouvida em alto e bom som pelas marítimas”. 

“Estamos preparados para trabalhar com os parceiros marítimos para buscar maneiras de prover assistência a mulheres cuja gravidez requeira uma mudança no seu trabalho normal e prover um mecanismo que garanta a sua volta à indústria tão logo deem a luz,” concluiu Dyring. 

Os presentes à reunião também abordaram as questões principais enfrentados pelos jovens marítimos ao entrarem na indústria, concernentes a comunicação, licença para desembarcar, treinamento e tempo de mar.

“Por fim, marítimos, cadetes e estagiários receberam a atenção merecida,” disse Dorotea Zec, Representante dos Trabalhadores Jovens dos Transportes na Seção dos Marítimos da ITF.

“Pedimos uma campanha estruturada a ser lançada pela OIT com o apoio dos parceiros sociais,  e olhamos o alinhamento do currículo escolar e de treinamento para prover as habilidades corretas para os marítimos do futuro,” disse Zec. 
 

FIM

 

Para perguntas da mídia, contatar: Luke Menzies +61 (0) 433 889 844

A Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF) é uma federação democrática de sindicatos e de âmbito mundial de 665 sindicatos de trabalhadores em transportes, representando mais de 18 milhões de trabalhadores em 147 países. A ITF trabalha para melhorar as vidas de trabalhadores do mundo todo e organizando a solidariedade internacional em sua rede de afiliados. A ITF representa os interesses dos sindicatos de trabalhadores em transportes que tomam decisões que afetam empregos, condições empregatícias e segurança na indústria dos transportes.

 

Publicar um novo comentário

Restricted HTML

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.