Ir para o conteúdo principal

Canários no compartimento de carga: aumento de mortes de portuários e marítimos em espaços confinados

30 Apr 2019
Duas coisas são minimamente necessárias no ar do local de trabalho: que se possa respirá-lo com segurança e que não cause explosão e mate alguém.


Desde janeiro de 2018, 16 portuários morreram por asfixia ou explosões em espaços confinados – ou de quedas após desmaiarem devido à má qualidade do ar. Esse é um chocante pico de mortes em espaços confinados, um perigo do local de trabalho que é velho conhecido da indústria da navegação.

Para pôr em perspectiva, houve um total de 145 mortes nos últimos 20 anos e um número alarmante de 28 nos últimos 16 meses.

A maciça escalada do número de fatalidades diz tudo a respeito da insensibilidade dos que estão à frente da indústria da navegação nos dias de hoje. São companhias que escolhem poupar custos em vez de treinar e equipar os empregados para que trabalhem com segurança em espaços confinados, ou investir em cultura de segurança a bordo a ponto de que haja tempo suficiente para os trabalhadores ventilarem adequadamente os porões, o que garantiria suficiente ar bom e permitiria questionar o risco enfrentado.

Sabemos que os trabalhadores marítimos em geral estão cientes dos riscos associados à entrada em espaços confinados, mas podem não estar cientes dos detalhes e da extensão dos variados perigos apresentados por produtos florestais, carvão, minério de ferro, grãos, gases e demais cargas.

Não é suficiente que um trabalhador confie em abrir as escotilhas por 30 minutos esperando que aconteça o melhor, ou que faça o melhor que puder para se proteger por conta propria. Não é suficiente para que os trabalhadores tomem todas as precauções disponíveis sem proteger-se adequadamente de bolsões de gases e de falta de oxigênio. E com certeza não é suficiente que reste aos trabalhadores ter que lidar com uma indústria desumana fazendo o que seres humanos sempre fizeram uns pelos outros: arriscar a propria vida para salvar os colegas caídos.

Fatalidades em espaços confinados entre 1999 e 2018. Fonte: Vistrato Limited 2018.


Em novembro passado, dois portuários morreram ao descarregarem toras do porão de um cargueiro em Montevidéu, provavelmente após serem expostos a um fumegante inesperado do qual não haviam sido avisados. Um membro da tripulação os viu confusos e adentrou o porão vestindo uma mascara, determinado a resgatá-los. Durante seus esforços, a sua mascara terminou se desprendendo, fazendo-o desmaiar, terminando em coma induzido num hospital. Um teceiro portuário precisou de ajuda médica antes de o trágico incidente chegar ao término.

Cabe aos proprietários das embarcações cuidar de suas tripulações e dos portuários empregados para fazer as operações com carga. A educação e os procedimentos não são opcionais. A negligência dos proprietários das embarcações que deixam de lado os procedimentos de praxe ao preço das vidas dos trabalhadores merece punição proporcional às vidas perdidas.

O Código Internacional Marítimo de Carga a Granel (IMSB) rege o transporte de carga a granel no mundo todo. O Código IMSB:

  • Identifica e agrupa cargas com base em perigo
  • Provê diretrizes para manuseio seguro
  • Estabelece procedimentos de teste

As seções de Portuários e Marítimos da ITF estarão na Organização Marítima Internacional (OMI) trabalhando com donos de embarcações para garantir que as normas regendo o espaço confinado se mantenham e sejam fortes o suficiente para proteger todos os trabalhadores marítimos.

A Seção dos Portuários da ITF deplora operadores que rotineiramente forçam os trabalhadores a escolher entre arriscar suas vidas ou seus empregos. Continuamos a lutar contra eles e exigimos que assumam responsabilidades.

Nos unimos às nossas companheiras e companheiros de Austrália e Canadá e fazemos nossa a sua reivindicação de leis que enquadrem como assassinato o deliberado descaso com que certos empregadores minam a segurança e põem em risco as vidas dos trabalhadores.

Matou um trabalhador, vai preso!
 

Publicar um novo comentário

Restricted HTML

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.