Ir para o conteúdo principal

P&O Ferries: Porto de Dover recusa verificação de bem-estar

29 Apr 2022
Comunicado à imprensa

Autoridades do Porto de Dover recusaram ontem o acesso aos inspetores da ITF que estiveram presentes para investigar questões de bem-estar que foram levantadas por membros da tripulação substituta a bordo de embarcações da P&O Ferries no porto.

Inspetores da ITF têm autorização do código ISPS (Segurança de Navio e Instalação Portuária), o que permite que eles entrem em todos os portos do Reino Unido e embarquem em todas as embarcações em águas britânicas sempre que os marítimos solicitam assistência.

Apesar de terem enviado emails com antecedência, por cortesia, e concluírem o curso de segurança online exigido, a Polícia do Porto recusou a entrada dos inspetores no dia, alegando que não tinha sido avisada antes sobre a visita dos inspetores. Os inspetores não são obrigados a fornecer aviso prévio aos portos ou donos de embarcações de visitas iminentes para inspecionar embarcações ou investigar abuso dos direitos dos marítimos.

Os inspetores dizem que as autoridades do porto telefonaram para a P&O Ferries enquanto os inspetores estavam presentes aguardando uma decisão sobre seu acesso.

Um dos inspetores, Tommy Molloy, comentou que: “Como inspetor da ITF no Reino Unido por 17 anos, esta é a primeira vez que eu tive acesso recusado em um porto britânico para investigar questões de bem-estar dos tripulantes.”

“A experiência nos mostra que, se empregadores que cometeram violações são denunciados às nossas inspeções, quase sempre os membros da tripulação são ameaçados e documentos incriminatórios desaparecem. Nossas inspeções são aleatórias por sua natureza e pela necessidade.”

O secretário-geral da ITF, Stephen Cotton, disse: “A P&O Ferries tem demonstrado que não respeita a lei, é assombroso que o Porto de Dover impeça o acesso dos inspetores da ITF que estão lá simplesmente para verificar o bem-estar da tripulação e a segurança dos navios.”

“Os inspetores da ITF no mundo inteiro estão na linha de frente da proteção das normas de segurança para os marítimos e as embarcações que eles tripulam. Temos sérias reservas sobre o porquê de lhes ser negado o acesso, principalmente após detenções da MCA relacionadas a preocupações com segurança e conhecimento das embarcações por parte dos tripulantes.”

“Pedimos ao secretário de Estado de Transportes, Grant Shapps, que encontre o motivo pelo qual nossos inspetores foram barrados e assuma o compromisso de que isso não acontecerá novamente”, disse Cotton.

A ITF notificou a Agência Marítima e da Guarda Costeira do Reino Unido sobre o incidente como uma violação do Código ISPS.

Observações para os editores:

Contato para mídia:  media[at]itf.org.uk

Alerta para mídia:

Demonstração contra demissões em massa de marítimos da P&O e falhas de governança global da DP World

Quinta-feira, 21 de abril de 2022, 17h | DP World, 16 Palace St, London SW1E 5JQ

Após a demissão em massa ilegal de 800 marítimos da P&O Ferries, líderes sindicais de todo o mundo irão até a sede da proprietária DP World para expressar a condenação mundial do tratamento dado pela empresa P&O Ferries aos marítimos e por contradizer os seus próprios valores.

A ITF, juntamente com RMT e Nautilus, exigem que:

  • A DP World cumpra com as normas de governança globais aceitáveis e com as leis nacionais
  • A empresa demita o CEO da P&O Ferries, Peter Hebblethwaite
  • A DP World comprometa-se a trabalhar com a ITF e seus afiliados em todas as subsidiárias de propriedade da DP World para garantir que nenhum trabalhador seja jamais tratado novamente com tamanho desrespeito.