Ir para o conteúdo principal

Para transformar o mundo, transforme o transporte público

30 Mar 2021

O futuro é o transporte público
Opinião editorial conjunta

Por Mark Watts, diretor-executivo do C40 Cities, e Stephen Cotton, secretário-geral da ITF

Os sistemas de transporte público ao redor do mundo – e os trabalhadores que os alimentam – têm mantido as comunidades em movimento durante a luta contra a COVID-19. São os motoristas de ônibus, operadores de trens, condutores, vendedores de passagens, mecânicos e o pessoal da limpeza que garantiram que outros trabalhadores na linha de frente também pudessem chegar ao trabalho todos os dias. Agora precisamos que os governos também interfiram, não só cancelando os déficits orçamentários que se acumularam enquanto o número de passageiros despencou durante os confinamentos, mas aproveitando a oportunidade da mudança de padrões de trabalho e viagem para investir em serviços de transporte público ampliados e com emissão zero que podem ser a base de uma recuperação da pandemia verde e justa.

Conforme começamos a avançar lentamente em direção ao fim desta crise, ainda enfrentamos vários enormes desafios, mas também temos algumas ótimas oportunidades para emergirmos como uma sociedade mais forte, mais inclusiva e coesa.

O investimento das sociedades no transporte público será fundamental para aproveitar essa oportunidade. A pandemia já exacerbou enormes lacunas de financiamento para esses serviços em meio a condições econômicas graves. Na Itália, estima-se que as operações de trânsito perderam $1,8 bilhão (€1,5 bilhão) em receitas de passagens em 2020,[1] o setor de transporte público brasileiro registrou um prejuízo de $1,7 bilhão (R$ 9,5 bilhões)[2] em 2020, a autoridade de trânsito de Vancouver disse que estava perdendo cerca de $75 milhões todo mês[3], a Agência de Transporte Metropolitano de Nova York estima um déficit de $6 bilhões em 2021 e um déficit cumulativo de quase $16 bilhões devido à COVID-19 ao longo de um período de cinco anos[4]. Em resposta, muitos sistemas de trânsito reduziram seus serviços, reduzindo a frequência dos ônibus, com corte de serviços noturnos ou reduzindo os serviços para rotas mais lucrativas.

Para se recuperar da COVID-19, os governos devem assumir compromissos ambiciosos para agora investir em infraestrutura e operações de transporte público. Embora louvemos as ações que alguns governos nacionais tomaram para ajudar os sistemas de transporte em massa a sobreviverem à crise imediata de COVID-19, é necessário financiamento estável, direto e de longo prazo para garantir que as cidades consigam proteger os serviços de trânsito e os trabalhadores, e investir em transportes ampliados e com emissão zero. Uma transição justa protegerá e criará empregos verdes e garantirá que o transporte público ampliado forneça acesso a oportunidades de emprego para mais milhões de pessoas. Esta é uma oportunidade de investirmos nas nossas cidades, para empregos, trabalhadores, residentes urbanos e, urgentemente, proteger nossas cidades contra a futura iminente crise mundial: a emergência climática.

Hoje, os trabalhadores, prefeitos, líderes sindicais e residentes urbanos em todo mundo estão se unindo para exigir investimentos transformadores em transporte público para proteger e criar milhões de empregos decentes, sindicalizados e garantir uma recuperação global verde e justa com foco em serviços públicos. É uma oportunidade vital para promover igualdade de gênero nos empregos e serviços e uma estratégia visionária de emprego para os jovens.

Como os governos investem na recuperação da pandemia determinará se aceleraremos a transição para uma economia mais verde e mais justa ou se manteremos a poluição por décadas. A pesquisa do C40 indica que entre 40% e 80% dos trajetos urbanos, até 2030, precisam ser feitos a pé, de bicicleta ou em transporte público para manter o aquecimento global abaixo de 1,5 graus Celsius. Resumindo, não se pode ter uma cidade sustentável sem transportes de massa.  

Se levarmos a sério o combate à emergência climática – e precisamos levar – então o estímulo à recuperação tem que ser grande, verde e rápido.

Transporte seguro, acessível e de alta qualidade nas cidades é essencial, não só para conseguirmos ar limpo e cortes de emissões, mas também para protegermos os trabalhadores na linha de frente que arriscaram suas vidas diariamente no último ano para nos proteger. A pandemia afetou de forma desproporcional a saúde dos trabalhadores em transportes e muitos membros dos afiliados da ITF morreram no mundo inteiro. Só o Amalgamated Transit Union (ATU) nos Estados Unidos perdeu mais de 140 membros no ano passado. O transporte público tem sido uma tábua de salvação para nossas comunidades e é hora de ser tratado como tal.
 
Transporte público é uma questão de justiça social e econômica. Esta ameaça à viabilidade do transporte público acessível está acontecendo justamente quando a pandemia revela o quanto dependemos dele. O transporte em massa é um serviço vital para os trabalhadores que precisam viajar para trabalhar durante a pandemia, como os profissionais de saúde, cuidadores, professores e aqueles que mantêm os alimentos nas prateleiras dos comércios. Significa também que, na verdade, somos todos usuários de transporte público, mesmo que não sejamos usuários diretos. Enquanto nos recuperamos da pandemia, será vital garantir que aqueles que não possuem carro possam encontrar e acessar trabalho. É provável que aqueles que podem trabalhar em casa, façam isso com mais frequência após a pandemia, o que oferece uma oportunidade de deslocar o foco dos serviços de transporte das rotas criadas em torno das necessidades dos passageiros do centro da cidade para as viagens entre bairros que são realizadas por mais pessoas.

Devemos também possibilitar uma transição justa dos serviços informais para os formais com a participação dos trabalhadores e das comunidades. 7,3 milhões de trabalhadores estão formalmente empregados nas operações de transporte público em todo o mundo e, em muitas partes do mundo, os empregos informais podem representar um aumento de até 30–40% do número total de empregos em transportes.[5] Há famílias e comunidades demais em jogo para permitirmos que o transporte em massa fracasse.

Uma nova pesquisa publicada hoje pelo C40 Cities mostra que o investimento em sistemas de transporte público globais não só protegerá os empregos existentes e cortará mais da metade das emissões do transporte urbano até 2030, como criará 4,6 milhões de empregos adicionais até 2030, em 100 cidades na rede do C40 e suas cadeias de suprimento, com multiplicação do impacto econômico devido ao aumento do acesso ao transporte público. Proteger e defender os sistemas de transporte público é uma intervenção poderosa para alcançarmos uma recuperação verde e justa nas cidades e essencial para qualquer chance de vida urbana sustentável no futuro.

Para conseguirmos uma recuperação verde e justa, precisamos de investimentos públicos em novos e melhores trens metropolitanos, com serviços mais rápidos e frequentes e serviços de ônibus formais e com emissão zero melhorados com uma transição justa para os trabalhadores. Nossas cidades merecem bilhetes integrados, sistema de informações em tempo real e investimentos em transporte público elétrico. Devemos conceber, investir e construir um futuro em que qualquer pessoa possa pegar um ônibus ou trem de forma fácil, segura e acessível para ir para o trabalho, escola, hospital ou supermercado.

Investimentos ousados em transporte público empoderarão trabalhadores e cidadãos no mundo inteiro a não só simplesmente sobreviver, mas também a prosperar e contribuir para a ação climática. Em tempos de desemprego global em massa e de emergência climática, o futuro é o transporte público.

 

[1] UITP Europa (13 de maio de 2020). . European CEOs and city representatives call for local public transport to be a key sector in the European recovery plan.

[2] https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2021/01/transporte-publico-circula-com-61-dos-passageiros-e-pode-sofrer-mudanca-estrutural-em-2021.shtml

[3] https://www.cbc.ca/news/canada/british-columbia/translink-seeking-emergeny-funding-coronavirus-pandemic-1.5531302

[4] Transporte em massa (19 de novembro de 2020) New York MTA lays out dispiriting 2021 budget proposal with drastic cuts to service and staff levels

[5] ILO (2020). ILO Sectoral Brief on COVID-19 and Urban Passenger Transport Services