Ir para o conteúdo principal

ITF conclama a Maersk a abordar as preocupações dos sindicatos e da comunidade com a proposta de automação do Porto de Los Angeles

04 Apr 2019
Comunicado à imprensa
Hoje, a Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF) convidou a Maersk a trabalhar de forma construtiva com o Sindicato dos Trabalhadores de Portos e Armazéns (ILWU) na abordagem dos impactos financeiros e sociais da automação proposta para o Porto de Los Angeles.

“Hoje a delegação da ITF, na Reunião Geral Anual da Maersk, fez um convite à empresa para engajar-se num diálogo construtivo para garantir que o terminal no Pier 400 continue produtivo, competitivo e lucrativo para a empresa, bem como para a força de trabalho e as comunidades que ela sustenta”, disse a coordenadora marítima da ITF, Jacqueline Smith.

Uma delegação de representantes da ITF e sindicatos afiliados se dirigiu hoje à Reunião Geral Anual da AP Møller-Mærsk em Copenhague. A delegação da ITF reconheceu o diálogo construtivo e contínuo entre a Maersk e os sindicatos de transportes, mas levantou os desafios atuais, incluindo planos de automação no Porto de Los Angeles.

“Relações trabalhistas positivas existem em muitos locais de trabalho da Maersk em todo o mundo. Agora é vital que isso se aplique a todas as regiões e locais de trabalho. A Rede da ITF para a Maersk identificou os desafios atuais nas operações globais da Maersk, e hoje informamos ao conselho e aos acionistas da empresa uma série de questões que precisam ser abordadas ”, disse a coordenadora marítima da ITF, Jacqueline Smith.

Dane Jones, do ILWU, dirigiu-se à Reunião Geral Anual para falar da proposta de automação de movimentação de carga nas instalações do Pier 400 do Terminal APM do Porto de Los Angeles.

“A automação é cara. Seja total ou semiautomatizada, é necessário que centenas de milhões, se não bilhões, sejam usados para modernizar instalações de contêineres ... Um operador de terminal também deve pagar por atualizações de instalações, soluções de software, suporte e manutenção de produtos. Um terminal marítimo gera receita com a movimentação de cargas, e os portos de contêineres automatizados não movimentam a carga com a mesma rapidez ou lucratividade que os portos operados por pessoas”, disse Jones.

Os acionistas da Maersk e os membros do conselho foram apontados para um estudo recente da McKinsey & Company que descobriu que os portos automatizados são “geralmente menos produtivos do que suas contrapartes convencionais” e que “enquanto as despesas operacionais diminuem, a produtividade e os retornos sobre o capital investido são atualmente inferiores à norma da indústria”.

A coordenadora marítima da ITF, Jacqueline Smith, reiterou o apoio total da federação sindical global ao ILWU para manter a força de trabalho qualificada no Porto de Los Angeles.

“Como os acionistas da Maersk ouviram hoje, a automação tem impactos financeiros na produtividade e lucratividade, bem como impactos sociais e comunitários sobre os trabalhadores e suas comunidades, e, considerando as suas políticas corporativas de responsabilidade social, a Maersk tem a responsabilidade de 'reduzir os impactos negativos e realçar os impactos positivos sobre pessoas, sociedade e meio ambiente'", disse Smith.

“Hoje, pedimos a todos os acionistas da Maersk que se juntem a nós para pedir à empresa que se reúna com a ITF e a ILWU para abordar as graves preocupações em torno dos planos de automação do Porto de Los Angeles”.

Para mais informações
Luke Menzies, Gerente de mídia marítima da ITF | menzies_luke@itf.org.uk

Publicar um novo comentário

Restricted HTML

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.