Ir para o conteúdo principal

Sindicatos tomam ação transatlântica para acabar com os salários de miséria e a incerteza em subsidiária da Lufthansa

10 Sep 2019
Comunicado à imprensa
Em tempos de lucros recordes das linhas aéreas, sindicatos de EUA, Alemanha e Grã-Bretanha estão se unindo para fazer campanha por melhores padrões trabalhistas na empresa fornecedora de refeições para linhas aéreas LSG Sky Chefs.

De propriedade da Lufthansa, a LSG fornece refeições para uma gama de importantes provedores de transportes, principalmente a American Airlines, em três países, e lucrou mais de US$12 bilhões desde 2015. Apesar disso, os empregados da LSG se deparam com baixos salários e cobertura parcial de benefícios empregatícios.

Trabalhadores de EUA, Alemanha e Grã-Bretanha respondem por mais de 20.000 dos 35.000 empregados da empresa. Em julho, trabalhadores alemães compareceram a um ato realizado em Washington DC, organizado pelo UNITE HERE, afiliado à ITF, em que os trabalhadores receberam apoio de candidatos à presidência, incluindo Bernie Sanders e Elizabeth Warren.

Em agosto, 58 trabalhadores foram presos na sede da American Airlines no Texas, por terem se engajado em desobediência civil não violenta para protestar contra salários em nível de pobreza. Os trabalhadores da LSG e da American Airlines de Argentina, Espanha e Nova Zelândia também compareceram aos atos em Dallas, refletindo a preocupação mundial com essas empresas. Os trabalhadores de fornecimento de refeições dos EUA também estão prontos para entrar em greve após votação feita mais cedo neste verão (do hemisfério norte), assim que forem liberados pelo Conselho Nacional de Mediação.

Ontem, em Frankfurt, o sindicato alemão ver.di, afiliado à ITF, foi anfitrião de uma conferência internacional de trabalhadores da LSG com foco na venda da empresa que a Lufthansa pretende fazer, o que também pode ter impacto sobre os trabalhadores britânicos organizados pelo sindicato afiliado Unite. A ITF e os seus afiliados reivindicam que a Lufthansa desista da venda. Após a cúpula, centenas de trabalhadores da LSG e da Lufthansa de Alemanha, Grã-Bretanha e EUA protestaram no aeroporto de Frankfurt e em frente à sede da Lufthansa.

Hoje, no aeroporto de Heathrow em Londres, trabalhadores dessas três empresas panfletaram para os passageiros e executivos da American Airlines, reivindicando que a empresa faça algo para acabar com os salários de miséria e garantir um seguro de saúde acessível para os trabalhadores que servem aos seus passageiros.

"Eu fui expulsa de casa por não poder pagar o aluguel, ainda que eu estivesse trabalhando em tempo integral na LSG," disse Tenae Stover, uma trabalhadora de Washington DC, que viajou à Europa como parte de uma delegação sindical.

"Quer seja a Lufthansa, a British Airways ou a American Airlines, a nossa luta pelo fim dos salários de miséria é a mesma. Todos trabalhamos na mesma indústria lucrativa e cabe às linhas aéreas, em particular à Lufthansa como dona e à American, como principal cliente, assumir responsabilidade pela dor e incerteza que estão causando."

 

Publicar um novo comentário

Restricted HTML

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.