Ir para o conteúdo principal

Marítimos em greve de fome hospitalizados no Kuwait

26 Jan 2021
Comunicado à imprensa

Marítimos indianos, turcos, azerbaijanos e bengaleses estão na terceira semana de greve de fome no porto de Shuaiba, Kuwait. A tripulação abandonada do graneleiro ULA (Número IMO: 8102414) está em greve de fome desde 7 de janeiro em um esforço desesperado para desembarcar do navio e recuperar mais de US$ 400.000 de salários atrasados.

Seis dos tripulantes já foram hospitalizados para estabilização da pressão arterial e níveis de glicose, antes de serem retornados ao navio. Os marítimos permanecem em risco de morte se continuarem a recusar alimento e água.

“As autoridades kuwaitianas devem atuar urgentemente para impedir que os marítimos se matem com esta greve de fome. Embora tenha sido o armador do Qatar e o Estado da bandeira de Palau que abandonaram os marítimos, clamamos ao Kuwait que demonstre liderança na resolução desta crise”, disse Mohamed Arrachedi, coordenador da Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF) para a Rede do Mundo Árabe e do Irã.

“A maioria dos tripulantes estão a bordo da embarcação há 14 meses – e alguns já estão a bordo há mais de dois anos. Esses marítimos estão simplesmente pedindo ao Kuwait que os substitua por uma tripulação local para que possam voltar para a casa de suas famílias.”

Pelos últimos 11 meses, os tripulantes foram abandonados pelo proprietário do navio MV Ula do Qatar, Aswan Trading and Contracting. Aswan já está na lista negra desde 2017.

A perda de emprego e de renda e seu abandono não solucionado forçaram os marítimos a se defenderem contra os salários atrasados. Eles dizem que suas famílias não podem se dar ao luxo de eles saírem do navio de mãos vazias.

“Minha mãe, pai, irmã e irmão mais novo dependem de mim para sustentá-los desde que meu pai perdeu o emprego devido à pandemia de Covid-19”, disse um marítimo à ITF. Então, agora, eu sou o único que tem emprego, mas estou sem receber salário há 11 meses. Nós pegamos um empréstimo, mas não podemos pagar.”

Quando um navio é abandonado, o Estado da bandeira da embarcação normalmente intervém e atua para preservar a vida dos tripulantes e garantir que os salários devidos sejam pagos.

“Palau não fez o seu trabalho”, argumentou Arrachedi. “A ITF repetidamente levantou a questão da falta de provisões e salários atrasados, mas nenhuma providência foi tomada.”

Palau rescindiu o registro do navio em setembro de 2020. A embarcação permanece sem bandeira e as reivindicações da tripulação permanecem não resolvidas.

Como o navio agora está sem bandeira, a situação deve ser resolvida pelas autoridades marítimas do Kuwait. O Kuwait tem uma responsabilidade jurídica e moral de salvar esses marítimos enquanto ainda há tempo. Como sempre, a ITF está de prontidão para auxiliar de qualquer forma possível”, disse Arrachedi.

 

FIM

Sobre a ITF: A Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF) é uma federação democrática e liderada pelos afiliados, reconhecida como a autoridade em transportes líder no mundo. Lutamos apaixonadamente para melhorar a vida profissional, conectando sindicatos de 147 países para assegurar direitos, igualdade e justiça para nossos membros. Somos a voz de aproximadamente 20 milhões de trabalhadoras e trabalhadores na indústria de transportes do mundo todo, incluindo mais de um milhão de marítimos.

Contato para mídia:         media@itf.org.uk     +44 20 7940 9282