Ir para o conteúdo principal

Avianca deve parar de atacar os pilotos colombianos

22 Jul 2019
Comunicado à imprensa
A Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF) reivindica que os tribunais colombianos indefiram uma petição para dissolver o sindicato dos pilotos do país.


A Asociaciòn Colombiana de Aviadores Civiles (ACDAC) está enfrentando uma repressão jurídica num momento em que a própria Avianca está sendo investigada por alegadamente grampear o telefone do sindicato durante uma disputa trabalhista de longa duração. Se as acusações forem aceitas, os diretores da linha aérea poderão enfrentar processo na justiça penal. No entanto, se o sindicato for banido antes desse ponto, o caso contra a Avianca se verá substancialmente enfraquecido.

Esta recente abertura de processo vem depois de vários anos de a Avianca tentar ignorar as demandas legítimas dos trabalhadores por pagamento justo e melhores condições de emprego. Os pilotos da ACDAC iniciaram greve em setembro de 2017, após terem chegado a um impasse nas negociações com a empresa, mas logo enfrentaram oposição dos poderes executivo e judiciário por exercerem os seus direitos fundamentais.

Em outubro de 2017, a suprema corte da Colômbia declarou a greve ilegal, alegando que o transporte aéreo é um serviço público essencial – a despeito da orientação da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Isto abriu uma porta para que a Avianca disciplinasse e demitisse ativistas sindicais, levando a ACDAC a encaminhar queixa ao Comitê da OIT pela Liberdade de Associação.

Agora, numa tentativa de banir o sindicato, a Avianca visa tanto a resolver uma disputa trabalhista por meios ilegítimos como obstruir uma investigação criminal contra a sua própria diretoria. A ITF condena veementemente esta ação e conclama o poder judiciário da Colômbia a chamar as táticas repressivas da empresa pelo seu devido nome.

A ACDAC tem até terça-feira, 23 de julho, para responder ao tribunal, e espera-se a sentença para o fim do mês. A ITF se põe ao lado dos pilotos colombianos e seu sindicato em sua luta por direitos fundamentais e contra a corrupção dos gestores.

Stephen Cotton, secretário geral da ITF, disse: "Ficamos ao lado dos nossos companheiros e companheiras da Colômbia contra esta indignante tentativa de reprimir a livre atividade sindical. O ataque da Avianca ao nosso sindicato afiliado ACDAC é um claro desvio de atenção da investigação criminal de que é objeto a diretoria da empresa."

"Não podemos viver num mundo em que, ameaçado pelas consequências dos seus próprios erros de conduta, um empregador consiga que um sindicato seja dissolvido. Conclamamos o Judiciário da Colômbia a rechaçar este pedido e permitir que a investigação sobre a Aviança continue desimpedida."

 

Publicar um novo comentário

Restricted HTML

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.