Declaração da ITF em solidariedade aos caminhoneiros do Irã

A Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes, em nome dos 20 milhões de trabalhadores em transportes do mundo todo que nossa organização representa, se solidariza com os caminhoneiros do Irã neste que é seu décimo dia de greve.

Os caminhoneiros do Irã estão se mobilizando em massa com relação aos baixos salários e a elevação dos custos, bem como com relação aos direitos dos trabalhadores e à segurança nas rodovias.

A sua ação tem recebido o forte apoio do ‘Sindicato dos Trabalhadores de Teerã e da Empresa de Ônibus Suburbanos’, filiado à ITF e também conhecido como o Sindicato Vahed.

A greve primeiramente afetou as áreas de Qazvin, Lorestão, Azerbaijão do Leste e há agora relatos de ter se espalhado a todas as províncias e a mais de 250 cidades.

O transporte rodoviário é vital para as cadeias de abastecimento do Irã, de forma que o impacto da ação tem sido grande. Ao mesmo tempo, há também relatos de que os caminhoneiros têm recebido amplo apoio da população.

O chefe de transporte interior da ITF, Noel Coard, disse: “Os salários dos caminhoneiros não dão para cobrir suas despesas. Junto com a ampla maioria dos iranianos, eles têm sofrido da inflação contínua e dos picos de eços. Não lhes é possível viver decentemente.

“Ao mesmo tempo, diversos caminhões estão em condição precária, precisando de peças e reparos. Junto com condições climáticas difíceis, problemas de segurança nas áreas fronteiriças e falta geral de segurança rodoviária, os caminhoneiros iranianos são submetidos a condições de trabalho inaceitáveis.

“Os direitos dos trabalhadores, incluindo o direito a sindicatos independentes para representar seus membros, são cruciais para resolver essas questões".

Noel Coard acrescentou que o problema dos salários baixos e da segurança nas cadeias de abastecimento do transporte rodoviário tem sido priorizado pela seção de transporte rodoviário da ITF. Em dezembro de 2016, a ITF adotou uma iniciativa de prestação de contas da cadeia de abastecimento, atualmente sendo encaminhada pela sua seção de transporte rodoviário junto com sindicatos de caminhoneiros.

 

Inclua seu comentário

Todos os comentários