ITF resiste à perseguição pela ICTSI

A ITF lançou hoje um apelo, junto com a LabourStart, para proteger os portuários da Indonésia.

É o mais recente lance na campanha da ITF para garantir justiça para os portuários e tem por fim enviar uma forte mensagem para os diretores da empresa de administração portuária ICTSI (International Container Terminal Services, Inc) no sentido de que devem mudar a maneira como tratam os trabalhadores em Indonésia, Madasgascar e demais lugares onde se encontram presentes.

Neste exato momento, na Indonésia, crianças são forçadas a deixar a escola devido a que a ICTSI – uma das mais rentáveis empresas de estiva do mundo – persegue os seus pais por terem aderido à luta sindical em prol de um salário suficiente para viver.

A ICTSI sistematicamente mina os salários e as condições de trabalho no porto de Jacarta, forçando os trabalhadores a trabalharem de maneira longa e insegura simplesmente para que o seu salário dê para suas necessidades. Os membros do sindicato FBTPI tiveram negado o pagamento de hora extra e o que ganham não dá para viver, o que leva a que os trabalhadores retirem seus filhos da escola e sejam despejados de suas moradias. A ICTSI pune os trabalhadores que se opõem a tal situação.

A ITF entende que todas as crianças devem ir à escola e que merecem uma vida digna. Você pode ajudar assinando já o apelo da LabourStart.

O presidente da ITF e chefe da seção de portuários, Paddy Crumlin, declarou: “A ICTSI é um mau empregador. Está jogando os salários para baixo, assim como as condições. Isto tem que acabar. A ITF e seus sindicatos membros estão lhe cobrando explicações. No que nos diz respeito, a maneira agressiva como trata os trabalhadores termina aqui”.

A ITF conclama a que a ICTSI imediatamente pare de ter como alvo os membros do sindicato e que negocie uma convenção coletiva que garanta aos trabalhadores um salário justo, sem que haja necessidade de abusar das horas extras, de forma a que suas famílias possam viver com dignidade e que seus filhos voltem para a escola.

 

Inclua seu comentário

Todos os comentários