ITF e ETF prestam solidariedade aos trabalhadores da Ryanair em Eindhoven

A Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes (ITF) e a Federação Europeia dos Trabalhadores em Transportes apoiam os trabalhadores da Ryanair fazendo greve na base de Eindhoven da linha aérea.

A tripulação de cabine está fazendo greve em resposta ao plano da empresa de fechar a sua base no aeroporto de Eindhoven, conforme anunciado num memorando da empresa do começo deste mês. O memorando explicitamente cita o impacto contínuo da greve como causa, junto com o fechamento da base de Bremen e da redução das operações em Weeze.

Deparando-se com greve em torno de pagamento e condições de trabalho, a Ryanair repetidamente ameaçou os grevistas com fechamentos de bases e perdas de emprego. A ITF e a ETF alertaram previamente a empresa quanto a tais gestos violarem o direito fundamental dos trabalhadores à liberdade de associação.

Gabriel Mocho Rodriguez, Secretário de Aviação Civil da ITF, disse: "Os planos da Ryanair de fechar a sua base de Eindhoven são uma clara tentativa de calar as reivindicações legítimas dos trabalhadores. Deparando-se com clamor para satisfazer padrões trabalhistas básicos, a empresa, em vez disso, decide retirar suas operações e abrir em outro lugar."

"Em Eindhoven, assim como ao longo da rede da linha aérea, os trabalhadores não desistirão enquanto suas reivindicações não forem atendidas. Só existe uma forma de resolver os problemas trabalhistas da empresa de maneira sustentável: negociar com os sindicatos e permitir robustos acordos coletivos".

François Ballestero, Secretário Político da ETF para Aviação e Turismo, disse: "Mais uma vez, estamos vendo a Ryanair atacar o modelo social europeu. Não é de admirar que os trabalhadores não estejam dispostos a aceitar represálias por exercitarem seu direito de reivindicar tratamento justo mediante a retirada de seu trabalho".

"Prestamos solidariedade aos trabalhadores que hoje exercem esse direito em Eindhoven. É um princípio chave da nossa campanha por Transporte Justo que nenhum empregador europeu possa se desviar de suas obrigações sociais".

Inclua seu comentário

Todos os comentários