Sindicatos da ITF exigem voz dos trabalhadores na implementação do BRT

Representantes de uma ampla gama de organizações internacionais e regionais, incluindo três sindicatos da ITF, reuniram-se em Nairóbi, no Quênia, para discutir o impacto do BRT nos trabalhadores em transportes.

O Instituto para Estudos do Desenvolvimento, a Rede de Pesquisadores em Transportes do Quênia, o Instituto Global do Trabalho, a Autoridade de Transportes da Área Metropolitana de Nairóbi, o Banco Mundial e a União Europeia, todos compareceram ao evento realizado em 28 de março de 2018.

Ativistas do Sindicato de Trabalhadores em Transportes e Aliados do Quênia (TAWU), do Sindicato de Operadores do Transporte Público (PUTON), do Sindicato dos Trabalhadores em Matatu (MWU) bem como da Organização Sindical Central do Quênia, também expressaram suas preocupações com relação ao BRT.

O BRT está em vias de ser implantado em cinco linhas exclusivas em Nairóbi. Alinhada com o seu programa Nosso Transporte Público, a ITF está trabalhando com os seus três sindicatos de transportes com o objetivo de inclui-los como atores chaves na implementação do BRT.

Por mais que o BRT ofereça um transporte seguro, acessível e ambientalmente correto, existe preocupação quanto ao seu impacto sobre os trabalhadores informais dos transportes no tocante a deslocamento ou perda de trabalho.

O relatório preliminar do Instituto Global do Trabalho, encomendado pela ITF, salienta o impacto e as implicações no que diz respeito à introdução do BRT em Nairóbi, bem como os exemplos de melhores práticas de outros países no engajamento e inclusão dos trabalhadores e de seus sindicatos.

“Apoiamos os nossos sindicatos em sua campanha por um lugar à mesa com os tomadores de decisões a respeito da implementação do BRT, sobretudo com relação ao impacto potencial sobre a mão de obra. Isto é parte do programa Nosso Transporte Público da ITF, que visa a promover transporte público de qualidade que inclua empregos decentes, uma justa transição para os trabalhadores informais, forte representação sindical e alcance mais fácil da mobilidade acessível”, declarou a secretária regional adjunta da ITF África, Anna Karume.

Nicholas Mbugua, secretário geral do sindicato dos caminhoneiros do Quênia e representante do Cotu, disse que os sindicatos dos transportes já estavam em processo de engajar os trabalhadores com relação ao BRT e que querem estar envolvidos na tomada de decisão, a fim de criar um sistema bem-sucedido de BRT em Nairóbi.

Leia mais ao procurar #NossoTransportePúblico na mídia social ou visitando o nosso site aqui.

Inclua seu comentário

Todos os comentários