Juventude da ITF faz planos com foco em tornar-se visível no congresso de 2018 e deixar um legado após o evento

“Menos conversa e mais ação”. Foi esse o consenso entre os jovens trabalhadores em transportes da ITF que compõem o recém-formado grupo congressual dos jovens. Sob a presidência de Baker Khundakji, coordenador da juventude da ITF, os jovens se reuniram pela primeira vez na semana passada em Cingapura, que será o local do congresso da ITF em 2018.

A equipe é composta de representantes dos sindicatos anfitriões de Cingapura e de membros de comitês da juventude de outros países, representando as mulheres que trabalham em transportes, seções industriais dos transportes e cada uma das regiões da ITF. O grupo foi especificamente reunido devido ao reconhecimento da necessidade de se dar à juventude da ITF a oportunidade de contribuir de maneira prática para o futuro da ITF, tanto no que diz respeito à política quanto à realização de campanhas.

Terence Tan, do Sindicato dos Oficiais Marítimos de Cingapura (SMOU) disse: “É um grande privilégio ser um dos sindicatos anfitriões do congresso da ITF. Poder dar essa contribuição como profissional jovem é uma oportunidade de mostrar o que os jovens do SMOU estão fazendo de maneira proativa para envolver-se com o sindicato e com as questões de trabalho com as quais se importam.

“O futuro do trabalho e a automação são temas que figuram no topo da nossa agenda, os quais terão grande importância no congresso do ano que vem, o que requer que os jovens se envolvam intensamente nas discussões e debates”.

O grupo visitou o local high-tech do congresso e deu suas primeiras ideias para garantir que a juventude que trabalha em transportes tenha não só visibilidade no congresso em si como também deixe um legado após o evento.

Fatima Ajouz, do Sindicato Libanês dos Tripulantes de Cabine, disse “Esperamos que seja o maior comparecimento dos jovens a um congresso e que eles tenham uma participação ativa no evento, e que também estabeleçam sua agenda e sua direção de Cingapura em diante, de forma a serem parte do trabalho de realização de campanhas e de organização sindical da ITF.

“Sim, queremos ser visíveis no congresso – queremos as camisetas e as bandeiras, mas também queremos que a maneira de pensar e agir da juventude faça parte do trabalho e da agenda da ITF. Queremos mostrar que a tecnologia pode ser positiva para os trabalhadores e que os jovens podem ajudar a promover a mudança social”.

Saiba mais do trabalho da juventude trabalhadora em transportes na página web e acompanhe os canais de mídia social Facebook/ITFyoungtransportworkers @ITFyouth no Twitter.

Inclua seu comentário

Todos os comentários