Trabalhadores de transportes paralisam aeroporto durante greve geral em Israel

Grevistas de todos os setores paralisaram grande parte da economia israelense em 17 de dezembro, numa disputa envolvendo a companhia farmacêutica Teva – um grande empregador – depois de esta ter anunciado a demissão de 14.000 empregados dentro e fora de Israel.

Um número grande de trabalhadores dos setores público e privado – incluindo portuários e aeroportuários – apoiou a greve de quatro horas que paralisou o aeroporto Ben Gurion de Tel Aviv. O impacto se deu sobre repartições públicas, companhias de fornecimento de água, gás, telefone e luz, empresas tecnológicas, e também sobre a educação e a saúde.

A central nacional Histradrut, afiliada à ITUC, convocou a greve, exigindo apoio do governo à indústria de Israel a fim de evitar o desemprego. Os trabalhadores, disse o sindicato, “não são apenas números numa tabela Excel”, acrescentando que o governo deve alocar recursos para empresas que empregam e investem em Israel, levando à redução das demissões e impedindo o fechamento de fábricas.

O presidente do Histadrut, Avi Nissenkoren, declarou: “As demissões devem ser o último passo e não o primeiro em toda a economia israelense, seja ela pública ou privada. Estamos testemunhando uma ampla mobilização pública cuja mensagem é clara”.

Ele concluiu dizendo que “na luta para preservar a face social do Estado de Israel, nós nos mantemos unidos e determinados”.

 

Inclua seu comentário

Todos os comentários